Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Princesa Sem Tiara

Blog pessoal, de alguém que pela escrita é apaixonada e à moda já há muito se rendeu!

19
Mai16

Sobre os "Trapos"

Sempre que existe uma red carpet, é dito e certo que vem todo um forrobodó, em torno dos vestidos das celebridades. Internacional ou nacional, assim que colocam um pézinho em cima de uma passadeira vermelha já as redes sociais estão inundadas de publicações e comentários sobre os seus looks. E minhas amigas e amigos, ninguém está a salvo. Aquele podia ser o vestido dos seus sonhos, podiam sentir-se lindas e deslumbrantes naquela passadeira vermelha, que os entendidos querem lá saber. E os comentários que se intitulam sobre os looks e os "trapos", chegam em certos pontos  a quebrar as barreiras do corte e costura, do modelo e do respeito, em sarcasmo que vira opinião pública. Até que ponto nos sentimos nesse direito? Nós, espectadores, bloggers que nem sequer aquela passadeira pisámos e quantos de nós nem perto dela tivemos. Contra mim falo, que já comentei há algum tempo uma ou outra red carpet. Contra mim atribuo a culpa da falta de direito. Fiz-lo até estar do lado de lá o suficiente para perceber. Que não temos esse direito. Comentar "trapos" - como intitulam - não é só comentar trapos. É comentar, criticar, avaliar o trabalho de designers, estilistas e marcas. Sendo ou não do nosso gosto, aquele "trapo" é fruto de muitas e muitas horas de trabalho. Que alguém gostou, reconheceu e escolheu para usar. E "nós" que não nos demos ao trabalho de pesquisar o tema da coleção, o nome daquela criação, ou a linha de inspiração da mesma, sentimos-nos no direito de criticar, como que aquele vestido ou coordenado tivesse sido criado numa hora iluminada ao acaso do designer. Sabem uma coisa? O amarelo também era do canário e agora usa-se. E nós, bloggers, não temos nenhuma capa de mestria e sabedoria que nos atribui um estilo sempre irrepreensível nem tão pouco o direito do sarcasmo, que não fere a roupa, mas quem a fez e quem a usa. Lembrem-se: dizer os preferidos não se corta a costura, mas comentar os maus é criticar o trabalho, o gosto e julgar o estilo.  

3 comentários

Comentar post