Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Princesa Sem Tiara

Blog pessoal, de alguém que pela escrita é apaixonada e à moda já há muito se rendeu!

Princesa Sem Tiara

Blog pessoal, de alguém que pela escrita é apaixonada e à moda já há muito se rendeu!

Dom | 28.04.24

Nas Entrelinhas da Aparência!

Princesa Sem Tiara

 

IMG_2895.jpg

Andei desaparecida daqui. Deste espaço que ainda é tão meu e que procuro sempre que preciso de desanuviar. Mergulhada em trabalho, assoberbada na rotina dos dias e entusiasmada na organização de um evento. Mas a verdade é que os ultimos meses foram muito mais do que o que se viu, e muito vivido nas entrelinhas. Sabem porque é que ainda não deixei completamente de lado este meu blogue, numa altura em que já ninguém usa blogues? Porque numa altura que tanto se vive das aparências da realidade, este meu blogue é o meu espaço da  realidade. E, eu, sou das que sente saudades desse tempo. Que se liam blogues que espelhavam a vida comum e quotidiana das outras pessoas. Que não viviamos pelo feed de instagram das influencers onde é tudo tão normal e perfeito. Que se lia textos de realidade e onde nos identificávamos com tanta coisa que tantas mulheres e mães escreviam e que se assemelhava a coisas que também nós passavamos. E na verdade, acho que se perdeu um pouco dessa normalidade, ou melhor, dessa dose da realidade. E sabem uma coisa? A verdadeira vida vive-se tanto nas entrelinhas da aparência. Do tanto que se vive por detrás de um sorriso que pomos todos os dias, depois de uma noite mal-dormida (mais uma no meio de tantas, que a privação de sono é daquelas coisas que nos deixa mais KO que um combate de boxe para principiantes), ou que está nos desafios que a vida ironicamente se lembra de nos dar, quando temos os planos feitos e os objetivos traçados e sentimos o nosso comboio a descarrilar. E no meio disso tudo, é arregaçar mangas, dar a volta por cima, sorriso no rosto e bora para a frente. E mais uma vez a vida vive-se nas entrelinhas. E no tanto que se passa. E cada vez menos existe empatia, num dedo que cada vez mais se aponta e cada vez menos se sente a empatia. Uma daquelas coisas que o pós-covid nos deu como surpresa. A diferença, ou melhor a indiferença. E nós fazemos parte dos jovens que se juntam aos que fazem figas que as coisas mudem e os preços desçam. Que esperam ansiosamente que as medidas do governo sejam aprovadas, que seguem agora contas dos que ensinam sobre poupanças e que vêm dia sim, dia sim, todos os sites e mais algum na esperança que apareça aquela casa-milagre. E mais uma vez a vida vive-se nas entrelinhas, do tanto que se passa. De uma vida e sociedade que incute pressão até pela rotina, pela ginastica dos dias e dos objetivos que se traçam. E que do nada vêm os imprevistos que nos mudam a rota e desviam do rumo. E no dia seguinte, voltamos ao mesmo, arregaçar as mangas, dar a volta por cima, sorriso no rosto e dar a volta por cima. E no meio disto tudo, é aproveitar os momentos de calma, nem que sejam 5 minutos para descansar. É perceber que no meio do caos onde o tempo não chega para tudo é escalar a vida e o trabalho em prioridades. E é não nos esquecermos do nosso valor, de quem somos e do que queremos, do que somos capazes e de quem é importante e do que realmente importa. E no meio das entrelinhas do que tanto se passa é respirar fundo e perceber, que no meio da perfeição da aparência, existe uma dose de realidade em cada vida.